Carolina Cordeiro

Entre

Quando vemos os trabalhos de Carolina Cordeiro reunidos aqui, na exposição “entre”, podemos perceber um desejo de materializar os acontecimentos inesperados e as alterações que estes provocam nas relações espaçotemporais. Na dinâmica entre as obras, os sujeitos e o espaço expositivo experimentamos uma espécie de pequeno intervalo no tempo. Trabalhos que nos direcionam para um gesto duplo, entre a pausa e o movimento,orquestrados em total sutileza, indo desde o muito breve, mas também e paradoxalmente, até o muito duradouro.Tudo isso nos convoca a observar esses tempos que são distendidos de diferentes modos.

   

Em alguns momentos a extrema contemplação dos vídeos, torna-se quase vigilância, mas também sugere, por outro lado, uma certa melancolia de uma expectativa que nunca se cumpre. O momento inesperado que nunca ocorre. Se nos vídeos a contemplação desinteressada urge o tempo distendido da duração, nos outros trabalhos expressa-se uma forma diferente de distender, quase indefinidamente, o tempo. Instaura-se a urgência de uma gora congelado, como se o momento inesperado estivesse presente, mas sem a força de sua ação. A mesma dinâmica que ocorre nas temporalidades, instigadas pelos acontecimentos inesperados, reverbera no espaço e nos coloca em uma situação limítrofe, no intervalo entre dentro e fora, pura passagem e intervalo.

1/2