Luiz Lemos

Hiato

Luiz Eduardo Lemos reunidas em “Hiato”. Lemos mostra complexos jogos formais e cromáticos que tomam, em um nítido processo de investigação, a letra como signo dos resíduos da linguagem, das palavras e discursos. Um espécie de vazio, um hiato, tanto aquele do jogo linguístico das vogais próximas, quanto no sentido de fenda, lacuna e incisão.

 

Desse gesto surgem outros planos nos recortes que se dobram formando volumes assim como nas grandes áreas monocromáticas que encobrem outras muitas camadas anteriores. Planos que se sobrepõem formando uma composição rigorosamente inquieta que nos convoca a deslocar nosso olhar em intervalos entre o todo e os detalhes.

1/2